sábado, 26 de novembro de 2011

Pastor Silas Malafaia

SILAS MALAFAIA’s books, which sell in the millions in Brazil, have titles like “How to Defeat Satan’s Strategies” and “Lessons of a Winner.” The Gulfstream private jet in which he flies has “Favor of God,” in English, inscribed on its body.

As a television evangelist, Mr. Malafaia reaches viewers in dozens of countries, including the United States, where Daystar and Trinity Broadcasting Network broadcast his overdubbed sermons. Over 30 years, Mr. Malafaia, 53, has assembled thriving churches and enterprises around his Pentecostal preaching.

Still, he might have garnered little attention beyond his own followers had he not waded into Brazil’s version of the culture wars. After all, Brazil has evangelical leaders who command larger empires, like Edir Macedo, whose Universal Church of the Kingdom of God controls Rede Record, one of Brazil’s biggest television networks. Others, like Romildo Ribeiro Soares, of the International Church of God’s Grace, are known for greater missionary zeal.

But it is Mr. Malafaia who has recently attracted the most attention, with his pointed verbal attacks on a broad array of foes, including the leaders of Brazil’s movement for gay rights, proponents of abortion rights and supporters of marijuana decriminalization.

“I’m the public enemy No. 1 of the gay movement in Brazil,” Mr. Malafaia said in an interview this month here in Fortaleza, a city in Brazil’s northeast where he came to lead one of his self-described “crusades,” an event mixing scripture and song in front of about 200,000 people. Tears flowed down the faces of some of the impassioned attendees, while others danced to the performances that served as his opening act.

Before ascending to the pulpit, he described how coveted he had become on television talk shows as a sparring partner with gay leaders. But that is only a small part of his repertoire, and television is just one of many media at Mr. Malafaia’s disposal. On Twitter, he has nearly a quarter of a million followers, and in videos distributed on YouTube, he lambastes not only liberal foes but also journalists and rival evangelical leaders.

Not surprisingly, his rising prominence has made him the source of both admiration and unease. He mobilized thousands to march in the capital, Brasília, this year against a bill aimed at expanding anti-discrimination legislation to include sexual orientation.

“He’s like Pat Robertson in the sense of being a pioneer in moving Brazil’s evangelical right into the national political realm,” said Andrew Chesnut, an expert on Latin American religions at Virginia Commonwealth University, comparing Mr. Malafaia to the conservative American television evangelist.

Brazil’s elite is seeking to understand the rise of such a polarizing figure, and how it might influence the nation’s politics. Piauí, a magazine that is the rough equivalent of The New Yorker in the United States, ran a lengthy article this year on Mr. Malafaia’s rise from obscurity in Rio de Janeiro, where he grew up in a military family, to the power he now wields.

BEYOND Mr. Malafaia, the broad expansion of evangelical faiths, particularly Pentecostalism, in recent decades is altering Brazil’s politics. (While Pentecostalism varies widely, its tenets in Brazil include faith healing, prophecy and exorcism.) Leaders in Brasília must now consult on a range of matters with an evangelical caucus of legislators with resilient clout.

About one in four Brazilians are now thought to belong to evangelical Protestant congregations, and Pentecostals like Mr. Malafaia are at the forefront of this growth. In a remarkable religious transformation, scholars say that while Brazil still has the largest number of Roman Catholics in the world, it now also rivals the United States in having one of the largest Pentecostal populations.

Not everyone in Brazil is enthusiastic about this shift.

In a November essay, the journalist Eliane Brum wrote of the intolerance shown toward atheists in Brazil by some adherents of born-again faiths, describing what she called the “ever more aggressive dispute for market share” among big churches.

Ms. Brum’s essay unleashed a wave of reactions from Pentecostals. Mr. Malafaia’s words were among the most caustic.

During the interview here, he called Ms. Brum a “tramp,” and repeated his contention that “communist atheists” in the former Soviet Union, Cambodia and Vietnam were responsible for more killings than “any war produced for religious questions.”

Whether by design or default, his aggressive language has often become a spectacle. In November, Época magazine reported that Mr. Malafaia, during heated comments about taking legal action against Toni Reis, a prominent gay-rights advocate, said he would “fornicate” Mr. Reis.

Mr. Malafaia fired off an explanation that he had actually said he would “funicate” Mr. Reis. While researchers were unable to find Mr. Malafaia’s word in reference dictionaries, he said it was slang that roughly translated as “trounce.”

The visibility Mr. Malafaia achieves from such episodes has fueled questions about his political ambitions. He said he had no desire to run for office because it could make him beholden to a specific political party, thus curbing the broader visibility he now has.

“God called on me to be a pastor,” he said, “and I won’t exchange that for being a politician.”

But political influence is another matter. Mr. Malafaia said he voted twice for Brazil’s former president, Luiz Inácio Lula da Silva, and for years enjoyed access to Brasília’s corridors of power. But he also related an anecdote about Mr. da Silva’s successor, President Dilma Rousseff, that suggests how important evangelical figures are becoming in national elections.

He said she spoke with him by telephone for 15 minutes during last year’s presidential campaign, trying to lure his support. But he said he refused because of ideological differences with parts of the governing Workers Party of Mr. da Silva, a former labor leader, and Ms. Rousseff, a former operative in an urban guerrilla group.

“I told her, ‘I don’t have anything personal against you. I think you’re an intelligent, qualified woman,’ ” he said. “ ‘But how can I vote for you if I spent four years fighting with the group from your party supporting a bill to benefit gays, thus hurting me?’ ”

MR. MALAFAIA, while stabbing the air with fingers adorned with diamond-encrusted gold rings, delivers such tales in booming Portuguese with a thick Rio accent.

His persona has given him almost rock-star status among some supporters.

“I didn’t recognize him without his mustache,” said Erineide Mendonça, 39, an employee at the Fortaleza hotel where Mr. Malafaia was staying, referring to the trademark facial hair that he shaved not long ago. “But I recognized his voice,” she said, asking to be photographed with the evangelist she adores.

Both Mr. Malafaia and his wife, Elizete, were trained as psychologists, and when he rises to the pulpit, his voice echoes in sermons laden with lessons of self-help and perseverance.

A favorite theme involves success and how to attain it. While he contends that he still lives relatively humbly and is not even a millionaire, he makes no apologies for his own material rise. In fact, he celebrates it, touting, for instance, his Mercedes-Benz — a gift, he explains, from a prosperous friend.

Then there is the Gulfstream, acquired secondhand in the United States, he said, not by him but by his nonprofit religious organization at a reasonable price.

“The pope flies in a jumbo jet,” he said, referring to the chartered Alitalia plane that carries the bishop of Rome, and chafing at what he viewed as a double standard with which Brazil’s ascendant evangelical leaders must contend. “But if a pastor travels in any old jet, he’s considered a thief.”


Livros SILAS MALAFAIA, que vendem aos milhões no Brasil, têm títulos como "Como derrotar Satanás Estratégias" e "Lições de um Vencedor". O jato Gulfstream privado em que ele voa tem "Favor de Deus", em Inglês, inscrito na seu corpo.

Como um evangelista de televisão, o Sr. Malafaia atinge espectadores em dezenas de países, incluindo os Estados Unidos, onde Daystar e Trinity Broadcasting Network transmitir seus sermões overdubbed. Mais de 30 anos, o Sr. Malafaia, 53, reuniu igrejas próspera e empresas em torno de sua pregação pentecostal.

Ainda assim, ele poderia ter atraído pouca atenção fora seus próprios seguidores se ele não tivesse entrei na versão do Brasil das guerras da cultura. Afinal, o Brasil tem líderes evangélicos que comandam grandes impérios, como Edir Macedo, cuja Igreja Universal do Reino de Deus controla a Rede Record, uma das maiores redes de televisão do Brasil. Outros, como Romildo Ribeiro Soares, da Igreja Internacional da Graça de Deus, são conhecidos por maior zelo missionário.

Mas é o Sr. Malafaia que recentemente atraiu a maior atenção, com sua apontou ataques verbais contra uma ampla gama de inimigos, incluindo os líderes do movimento gay do Brasil para os direitos, os defensores do direito ao aborto e apoiantes da descriminalização da maconha.

"Eu sou o inimigo público n º 1 do movimento gay no Brasil," Mr. Malafaia disse em uma entrevista este mês aqui em Fortaleza, uma cidade no nordeste do Brasil, onde ele chegou a levar um de seus auto-descrito "cruzadas, "escritura de um evento de mistura e canção em frente de cerca de 200.000 pessoas. As lágrimas caíram-os rostos de alguns dos participantes apaixonada, enquanto outros dançavam ao performances que serviu como seu ato de abertura.

Antes de subir ao púlpito, ele descreveu como ele se tornou cobiçado em talk shows da televisão como um parceiro de sparring com líderes gay. Mas isso é apenas uma pequena parte de seu repertório, e televisão é apenas um dos muitos meios à disposição do Sr. Malafaia. No Twitter, ele tem quase um quarto de milhão de seguidores, e em vídeos distribuídos no YouTube, ele não só nega a inimigos liberais, mas também jornalistas e líderes evangélicos rival.

Não surpreendentemente, sua proeminência crescente fez dele a fonte de admiração e inquietação. Ele mobilizou milhares de pessoas a passeata na capital, Brasília, este ano, contra um projeto de lei que visa ampliar legislação anti-discriminação para incluir a orientação sexual.

"Ele é como Pat Robertson, no sentido de ser um pioneiro na movimentação direita evangélica do Brasil para a esfera política nacional", disse Andrew Chesnut, especialista em religiões latino-americano da Virginia Commonwealth University, comparando o Sr. Malafaia para o evangelista de televisão conservadores americanos.

Elite do Brasil é procurar entender o surgimento de uma figura tão polarizadora, e como ela pode influenciar a política da nação. Piauí, uma revista que é o equivalente do The New Yorker, nos Estados Unidos, publicou um longo artigo sobre a ascensão este ano o Sr. Malafaia é da obscuridade no Rio de Janeiro, onde ele cresceu em uma família militar, para o poder que ele agora empunha.

ALÉM Sr. Malafaia, a expansão gama de religiões evangélicas, especialmente o Pentecostalismo, nas últimas décadas está alterando a política do Brasil. (Embora o pentecostalismo varia muito, os seus princípios no Brasil incluem a cura pela fé, profecia e exorcismo.) Líderes em Brasília deve agora consultar-se sobre uma série de questões com uma bancada evangélica de legisladores com cunhas resistentes.

Cerca de um em cada quatro brasileiros são pensados ​​agora a fazer parte de congregações protestantes evangélicos e pentecostais como o Sr. Malafaia estão na vanguarda desse crescimento. Em uma transformação notável religiosos, estudiosos dizem que enquanto o Brasil ainda tem o maior número de católicos romanos no mundo, agora também rivais dos Estados Unidos em ter uma das maiores populações Pentecostal.

Nem todo mundo no Brasil está entusiasmado com essa mudança.

Em um ensaio de novembro, o jornalista Eliane Brum escreveu sobre a intolerância para com os ateus mostrado no Brasil por alguns adeptos de religiões nascido de novo, descrevendo o que ela chamou de "disputa cada vez mais agressivo para quota de mercado" entre os grandes igrejas.

Ensaio Ms. Brum desencadeou uma onda de reações de pentecostais. Palavras do Sr. Malafaia estavam entre os mais cáustica.

Durante a entrevista aqui, ele chamou a Sra. Brum um "vagabundo", e repetiu sua afirmação de que "os ateus comunistas" na antiga União Soviética, Camboja e Vietnã foram responsáveis ​​por mais mortes do que "a guerra produzido para questões religiosas."

Se por desenho ou padrão, sua linguagem agressiva tem freqüentemente se tornado um espetáculo. Em novembro, a revista Época informou que o Sr. Malafaia, durante comentários aquecida sobre a tomada de medidas legais contra Toni Reis, um defensor dos direitos gays proeminentes, disse que "fornicar" Sr. Reis.

Sr. Malafaia disparou uma explicação que ele tinha realmente disse que iria "funicate" Sr. Reis. Enquanto os pesquisadores não foram capazes de encontrar a palavra o Sr. Malafaia em dicionários de referência, ele disse que era a gíria que aproximadamente traduzido como "trucidar".

A visibilidade atinge de Mr. Malafaia tais episódios tem alimentado dúvidas sobre suas ambições políticas. Ele disse que não tinha vontade de correr para o escritório, pois poderia fazê-lo em dívida com um partido político específico, limitando assim o maior visibilidade que ele tem agora.

"Deus me chamou para ser um pastor", disse ele, "e não vou troca que por ser um político."

Mas a influência política é outra questão. Sr. Malafaia disse que votou duas vezes para o ex-presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, e durante anos teve acesso aos corredores do poder de Brasília. Mas ele também contou uma anedota sobre o sucessor de Lula, o Presidente Dilma Rousseff, que sugere como importantes figuras evangélicas estão se tornando em eleições nacionais.

Ele disse que ela falou com ele por telefone durante 15 minutos durante a campanha presidencial do ano passado, tentando atrair o seu apoio. Mas ele disse que recusou por causa de diferenças ideológicas com as peças do Partido dos Trabalhadores governo do Sr. da Silva, um ex-líder trabalhista, e Sra. Rousseff, uma ex-operatória em um grupo de guerrilha urbana.

"Eu disse a ela: 'Eu não tenho nada pessoal contra você. Eu acho que você é uma mulher inteligente e qualificado ", disse ele. "Mas como posso votar em você se eu passei quatro anos de luta com o grupo de seu partido apoiar um projeto de lei para beneficiar gays, assim me machucando?"

MR. MALAFAIA, enquanto stabbing o ar com os dedos adornados com diamantes incrustados anéis de ouro, proporciona tais contos em Português crescendo com um sotaque Rio de espessura.

Sua persona deu-lhe quase o status de estrela do rock entre alguns apoiantes.

"Eu não o reconheci sem bigode", disse Erineide Mendonça, 39, um empregado do hotel Fortaleza onde o Sr. Malafaia estava hospedado, referindo-se ao cabelo facial marca que ele não raspou há muito tempo. "Mas eu reconheci a voz dele", disse ela, pedindo para ser fotografado com o evangelista que ela adora.

Tanto o Sr. Malafaia e sua esposa, Elizete, foram treinados como psicólogos, e quando ele sobe ao púlpito, sua voz ecoa nos sermões carregados de lições de auto-ajuda e perseverança.

Um tema favorito envolve o sucesso e como alcançá-lo. Enquanto ele afirma que ele ainda vive relativamente humilde e nem sequer é um milionário, ele não se desculpa por sua ascensão próprio material. Na verdade, ele celebra, divulgando, por exemplo, o seu Mercedes-Benz - um dom, ele explica, de um amigo próspero.

Depois, há o Gulfstream, adquiridos de segunda mão nos Estados Unidos, disse ele, não por ele mas pela sua organização religiosa sem fins lucrativos a um preço razoável.

"O papa moscas em um jato jumbo", disse ele, referindo-se ao plano fretado da Alitalia que transporta o bispo de Roma, e escoriações no que ele via como um duplo padrão com o qual ascendente do Brasil líderes evangélicos devem lidar. "Mas, se um pastor viaja em um avião a jacto de idade, ele é considerado um ladrão."

Nenhum comentário:

Postar um comentário